CÓLICAS, BEBÊS & FLORAIS.

 

Uma das queixas mais frequentes que recebemos de mamães é sobre o problema das cólicas em bebês.

O segundo da lista é sobre o sono dos bebês, tipo “quando ele vai parar de acordar tanto a noite?”.

Para o segundo caso – o sono que demora a regular – temos mais informações no post “Quando o bebê vai dormir?”.

No caso das cólicas, gostaríamos de alinhavar aqui uma ideias e experiências.

Em primeiro lugar é importante dizer que o bebê vem de um lugar absolutamente confortável – um pouco apertado, é certo, mas aconchegante. No útero, todas as necessidades do bebê são atendidas prontamente pelo corpo da mãe – essa potência que gera, carrega e sustenta Vida. Em seu livro Nascer Sorrindo, Frederick Leboyer diz que para o bebê a vida fora do útero é um deserto e a imobilidade que experimenta – tudo que precisa é necessário que seja feito por quem lhe cuida – é muito desesperante para o recém nascido. E uma das sensações mais terríveis para o bebê é a fome e depois, a dor.

E outra coisa importante de se saber: o bebê nasce com apenas com partes do seu cérebro, que irá crescendo conforme ele se desenvolve. Nascemos como o cérebro reptiliano (responsável pelos funcionamentos automáticos de todo sistema) e partes do sistema límbico (emoções). E o mais importante deste dado: nos primeiros meses, a criança ativa – fica agitada, com medo ou nervosa – mas não tem o sistema parassimpático para “baixar” esta ativação. Ele baixa a ativação ATRAVÉS DO SISTEMA NERVOSO DA MÃE. A simbiose entre o bebê e sua mãe é tão grande que até mais ou menos uns nove meses,  este bebê pensa que sua mãe e ele são a mesma pessoa. Ele não EXISTE fora da existência de sua mãe. Por isso a presença da mãe é tão importante e por isso ela precisa ser ajudada, apoiada e cuidada, para que possa dar ao bebê esse manancial de amor e presença que ele precisa.

Mas o que isso tem a ver com cólica?

É assim: o maior pavor de uma mãe é ver sua pequena criança sofrendo. Quando ela se contorce e grita com cólicas, a mãe fica muito nervosa e o bebê sente que se ela está tão nervosa, deve ser algo grave mesmo e fica mais nervoso, e chora mais e engole mais ar e… tem mais cólicas!

Quando tive meu primeiro filho, minha mãe ficou dez dias conosco, me apoiando e ensinado os cuidados. Ele teve cólica lá pelo nono dia, ela o enrolou todo e segurou ele bem firme. Dava para ver que ele tinha dores, mas não chorava desesperado.  No primeiro dia sem minha mãe, veio um ataque de cólicas daqueles. Era final de tarde e eu estava sozinha em casa. Bateu o desespero, mas em algum momento veio uma força – eu me levantei decidida, enrolei ele bem aconchegado numa mantinha e coloquei ele bem apertado no meu peito e lhe sussurrei no ouvido:

– Não interessa o que você está passando, eu estou aqui com você. Vamos passar isso juntos!

E ele parou de gritar imediatamente. Ficamos ali – ele respirando meio aos trancos quando vinha a cólica, eu do lado como uma parteira da Vida. Em dez minutos passou e ele dormiu muito tempo. E isso passou a ser um ritual nosso por mais ou menos 30 dias, quando todas as malditas cólicas se foram.

Além disso, para as mamães vão a seguir algumas dicas que aprendi nesta época:

– Cuide sua alimentação. Evite alimentos como laticínios, feijões, couve, brócolis e outros alimentos que geram gases. Isso é claro se você estiver amamentando.

– Esta é da Medicina Chinesa: esquente uma xícara de sal grosso na frigideira, coloque numa fraldinha, feche como uma almofada e coloque no ventre do bebê, segurando-o de barriga para baixo. O calor ajuda e o sal grosso “puxa” as energias do umbigo.

– Enrolar bem apertadinho (não muito) o bebê ou usar o sling (aquela faixa de tecido grande que prende o bebê ao corpo da mãe, conhece?), mantendo-o quentinho e com o ouvido sobre o coração da mãe ou de quem cuida. Manter pés e as costas sempre bem quentinhos. Use estas roupinhas inteiras, mesmo sendo verão.

– Beba chá de erva doce, sem açúcar.

– Procure descansar sempre que possível.

 

E florais, você vai me perguntar?

Nos Florais da Deusa recomendamos os florais que são auxílios para a mãe:

Equilíbrio Pós Bebê, que ajuda a mamãe a ficar tranquila, confiante a a ter um vínculo forte e saudável com o bebê. Previne a depressão pós parto e ajuda a confiar na própria capacidade de dar conta.

Refil Energético – para compensar as noites mal dormidas e as exigências em geral.

Pronto Socorro – para tomar quando sente que está sobrecarregada e para colocar gotinhas nos pontos sensíveis do bebê – pulsos, têmporas, atrás das orelhas e no topo da cabeça. E também 16 gotinhas na água do banho.

E uma última coisa super importante: isso também passará!

Dúvidas sobre qual floral é o mais indicado para você?

Envie uma mensagem para nós, ou preencha o formulário de contato e seja orientado por nossa Terapeuta Responsável.

48 9 9611-7243
48 3237-4387 | 48 3232-6253